fbpx

O que é VPN, como elas funcionam e quando utilizá-las?

7 minutos para ler

Para entender o que é VPN, precisamos compreender o funcionamento da navegação na web. Embora o acesso às plataformas digitais, como buscadores, sites, blogs e redes sociais, se resuma a uma experiência audiovisual, existe uma infraestrutura que viabiliza o acesso a esse conteúdo.

Basicamente, a internet nada mais é do que um enorme conjunto de computadores conectados entre si por meio de uma rede mundial pública, a chamada World Wide Web, ou apenas “www”. A questão é que, ao utilizar este sistema, informações pessoais são expostas, em especial o endereço IP, um rótulo numérico que permite identificar e rastrear o seu dispositivo.

Se você usa a internet para operações básicas, como acessar sites, e-commerces e redes sociais, essa exposição não é um problema. No entanto, profissionais e empresas que trabalham com dados sensíveis ou sigilosos correm o risco de terem informações manipuladas ou roubadas.

É justamente aí que entram as VPNs, serviços que permitem que a sua navegação se dê de forma anônima. Neste artigo, explicamos o funcionamento dessa tecnologia e os cuidados que você deve tomar ao utilizá-la. Confira!

O que é VPN e como essas redes funcionam?

VPN significa Virtual Private Network ou Rede Virtual Privada. São redes de comunicação privada disponibilizadas sobre a rede mundial de computadores. Por meio de recursos de criptografia e tunelamento, as VPNs garantem a confidencialidade dos usuários, impedindo-os de serem identificados ou rastreados.

Na maioria dos serviços, porém, o que acontece na prática é uma alteração dos dados públicos do dispositivo. Ao acessar as páginas da web, em vez do endereço IP do seu computador ou smartphone ficar exposto, é exibido o endereço do servidor que disponibiliza a VPN.

Dessa forma, se algum cibercriminoso ou serviço de vigilância tentar rastrear o seu acesso, ele chegará, no máximo, à organização que fornece a rede privada. Pela mesma razão, o conteúdo exibido nos sites, em especial a publicidade, provavelmente será disponibilizado de acordo com a região onde os servidores da VPN se encontram.

Quem necessita de uma navegação privada?

Embora muitas pessoas estejam interessadas em saber o que é VPN nos dias de hoje, a tecnologia não é uma novidade. Projetos oficiais já estavam disponíveis desde meados de 2005. Porém, apenas recentemente, com o aumento da preocupação dos usuários com o uso de dados pessoais, o serviço passou a ser alvo de interesse de pessoas comuns que prezam por privacidade.

Por muitos anos, as VPNs foram consideradas uma tecnologia fortemente atrelada a crimes virtuais, em especial a distribuição de materiais piratas, como filmes. No entanto, com a crescente digitalização de processos corporativos, civis e jurídicos, a busca pelo serviço aumentou. Assim, grandes empresas se consolidaram nesse novo mercado.

Órgãos públicos que tratam informações confidenciais, empresas que protegem informações legais ou segredos industriais e até pessoas comuns que desejam proteger seus dados pessoais em serviços de busca, TV por assinatura ou streaming de vídeo, por exemplo, podem se beneficiar das VPNs.

No entanto, é preciso avaliar os provedores com cautela, pois nem todos são confiáveis, e esse tipo de navegação não é totalmente encoberto como muitos pensam.

e-book netflixPowered by Rock Convert

Quão sigilosa é a navegação via VPN?

Você pode pensar: se a VPN impede que o acesso seja identificado, uma vez dentro dela, o usuário pode fazer o que quiser na internet, inclusive cometer crimes e jamais ser pego, certo? Na realidade, não.

Observe que as VPNs estão intermediando o seu acesso à internet, ou seja, você está utilizando sua infraestrutura para navegar. No entanto, embora os provedores garantam o anonimato, existe a possibilidade de eles, internamente, identificarem e monitorarem o seu acesso. Isso significa que, na verdade, você está confiando a sua privacidade à empresa ou ao grupo responsável pela VPN.

Essa é a principal razão para você fugir de serviços pouco conhecidos, principalmente os gratuitos. Afinal, a disponibilização e a manutenção de um sistema dessa categoria é algo bastante caro e complexo. O interessado também deve verificar que tipo de registro a organização armazena sobre seus clientes e se essas informações são utilizadas para fins razoáveis e legais.

Empresas reconhecidas do segmento, como NordVPN, Surfshark e Private Internet Access, oferecem planos variados para diferentes públicos. Elas garantem o sigilo do seu acesso, mas podem bloquear usuários que infrinjam suas políticas de uso e segurança.

Existem opções gratuitas consideradas confiáveis, como o Opera VPN (serviço embutido no navegador Opera) e o Intra, um aplicativo para Android criado por um dos laboratórios do Google que criptografa a conexão. Como é de se esperar, elas são bastante limitadas, mas dão uma boa amostra da experiência oferecida por um serviço de alto padrão.

Quando utilizar uma VPN?

Como você vê, as VPNs são ferramentas poderosas para proteger informações sigilosas e pessoais, e existem empresas sérias que disponibilizam essa solução de maneira legal e descomplicada. O que não podemos é enxergar a tecnologia como um meio de viabilizar práticas ilegais.

Existem sim serviços controversos que, em tese, são capazes de acobertar crimes virtuais; no entanto, o usuário que utiliza redes não regulamentadas corre o risco de ter informações roubadas e até de sofrer punições simplesmente por utilizar tais sistemas.

Em muitos países, por exemplo, o provedor de VPN pode ser obrigado a expor dados de um usuário mediante determinação judicial.

De maneira geral, uma VPN pode ser extremamente útil para:

  • governos e corporações: instituições públicas e empresas podem se beneficiar do serviço dificultando o acesso a dados confidenciais;
  • redes públicas: existem muitos riscos envolvidos no uso de redes Wi-Fi públicas, e as VPNs são uma forma de proteger seus dados pessoais durante esses acessos;
  • serviços VOIP, chats e videoconferências: a navegação privada impede que o conteúdo das suas conversas seja monitorado ou atrelado aos seus dispositivos;
  • restrições geográficas: o conteúdo da internet varia de acordo com a região de onde parte o acesso e as VPNs podem ser usadas para acessar materiais exclusivos de outros países;
  • privacidade: muitas pessoas não se sentem à vontade ao terem seus dados pessoais coletados e tratados por grandes empresas, como Google e Facebook;
  • home office: o acesso a sistemas corporativos por meio de redes domésticas está sujeito a diversos riscos. Na lista, estão desde o roubo de informações ao ataque de softwares maliciosos. Assim, as VPNs são uma solução eficaz para garantir a segurança das informações no trabalho remoto.

Agora você sabe o que é VPN, as vantagens desse serviço e quando utilizá-lo. Como você pode perceber, essas redes podem ser usadas com simplicidade e de forma legal, mas é necessária cautela na escolha das empresas provedoras. Por fim, lembre-se de que as VPNs também surgem para assegurar um direito que, na internet, ainda dá seus primeiros passos: o direito à privacidade.

Gostaria de conferir mais conteúdos sobre internet e tecnologia? Então, assine nossa newsletter para receber as novidades do blog em primeira mão!

Posts relacionados